quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Pesquisa liga bebidas diet a maior risco de depressão

Pesquisa liga bebidas diet a maior risco de depressão


BBC Mais estudos são necessários para explorar as causas dessa relação

Uma pesquisa realizada nos Estados Unidos verificou uma possível ligação entre o consumo de bebidas diet e um maior risco de depressão.
O estudo realizado com 250 mil pessoas verificou que pessoas que consumiam quatro latas ou copos de refrigerantes ou sucos dietéticos por dia aumentavam o risco de depressão em até um terço.
A pesquisa, apresentada na reunião anual da Academia Americana de Neurologia, não indicou a causa dessa ligação.
O estudo também analisou o efeito do consumo diário de café e verificou que os consumidores da bebida tendem a sofrer menos de depressão.
Segundo os pesquisadores, as pessoas que bebiam quatro copos de café por dia tiveram 10% menos chance de serem diagnosticados com depressão ao longo dos dez anos do estudo do que aqueles que não bebiam café.
'Nossa pesquisa sugere que cortar ou reduzir o consumo de bebidas com adoçante ou trocá-las por café não adoçado pode reduzir naturalmente seu risco à depressão', afirma o coordenador do estudo, Honglei Chen, do Instituto Nacional de Saúde da Carolina do Norte.
Ele disse, porém, que mais estudos são necessários para explorar as causas dessa relação.
 
Refrigerante aumenta o risco de parto prematuro

Os pesquisadores advertem ainda que os resultados se aplicam aos objetos do estudo - pessoas acima de 50 anos vivendo nos Estados Unidos -, mas podem não ser repetidos em outras amostras.
Críticas
Os resultados da pesquisa americana são contestados pela Associação Dietética Britânica. Para a nutricionista Gaynor Russell, porta-voz da organização, o estudo não significa necessariamente que adoçantes provocam depressão.
— Para começar, as pessoas que sofrem de depressão podem se ligar mais à ideia de que suas bebidas adoçadas provocam o problema e então adicionar uma inclinação em seus relatos de consumo passado, especialmente porque os refrigerantes nos Estados Unidos são muito demonizados. Além disso, pode ser que o consumo de bebidas dietéticas esteja ligado à obesidade e ao diabetes, o que podem ser em si mesmos causas para a depressão.
Segundo ela, 'os adoçantes não caloríficos têm um papel importante em dietas para as pessoas que tentam perder peso ou que têm diabetes, e certamente não é recomendável que elas substituam suas bebidas dietéticas por mais café'.
 
Um refrigerante por dia aumenta risco de câncer de próstata

Russell afirma que a segurança dos adoçantes, como o aspartame, já foi extensivamente estudada por pesquisadores e é certificada por agências reguladoras.

domingo, 23 de setembro de 2012

Engenharia de Alimentos em matéria do G1


Um dos cursos mais recentes de engenharia no Brasil, a engenharia de alimentos ainda está "engatinhando" no país, segundo Gumercindo Ferreira da Silva, presidente da Associação Brasileira de Engenheiros de Alimentos (Abea). Os próximos dez anos, diz ele, devem ser de aumento da demanda por profissionais capacitados em todos os passos da cadeia de produção de alimentos, desde a elaboração de fórmulas até o armazenamento, passando pela fabricação e o transporte dos produtos. "Se pensarmos em qualquer produto alimentício no supermercado, ali tem engenharia de alimentos do início ao final", afirmou Silva.

O G1 fez uma matéria interessante sobre a nossa área. Na matéria tem alguns tópicos essenciais para aqueles que estão para entrar no mercado de trabalho, abrindo um pouco a mente e preparando para os desafios do mercado.
Abaixo algumas partes da matéria.


Salário e carreira
O presidente da Abea explica que o profissional recém-formado em engenharia de alimentos chega ao mercado recebendo o piso salarial de cinco salários mínimos, e que diretores e presidentes de grandes empresas podem chegar a receber salários de mais de R$ 45 mil.


Apesar da formação generalista, a carreira do engenheiro exige que ele se especialize em uma área específica e, com o tempo, vá aprofundando e atualizando seus conhecimentos nela. "Quando entra em um segmento, ele se especializa no assunto e vira expert naquilo", diz.

Para Silva, "os estudantes têm um desafio muito grande no mercado, essa é uma área considerada pouco explorada no Brasil, um mercado muito grande que dia a dia está abrindo novas frente de trabalho".
Portal G1: engenharia de alimentos

Até Mais!


quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Laticínios clandestinos são fechados no sudoeste do Maranhão

Importante ação dos orgãos públicos para garantir a segurança do alimento comercializado à população.

 Em várias propriedades, os fiscais encontraram materiais usados para a produção de queijo. Os locais sem nenhuma estrutura e higiene foram interditados.
A operação denominada “Queijo Fraudado” se concentrou nos municípios de Açailândia, Cidelândia e São Francisco do Brejão. Em Cidelândia foi realizada a maior apreensão, 2.200 barras de queijo.
Sempre escoltadas por policiais militares, as equipes estiveram em três depósitos e uma fábrica em Açailândia, onde os fiscais apreenderam duas toneladas de queijo e maquinários. Foi preciso a ajuda de um caminhão para recolher o material apreendido.
Segundo dados da Agência Estadual de Defesa Agropecuária, apenas nove laticínios operam legalmente na regional, cinco com serviço de inspeção federal e quatro com estadual.
Todo o material apreendido foi incinerado. Os donos dos laticínios clandestinos foram autuados.

Veja video da reportagem do Globo Rural AQUI.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Fabricante do Toddynho pagará R$ 420 mil por produto com detergente

A Pepsico do Brasil Ltda pagará multa de R$ 420 mil pela distribuição do achocolatado Toddynho com produto usado para limpeza, à base de água e líquido detergente, em setembro do ano passado no Rio Grande do Sul. O acordo foi firmado com o Ministério Público, através da Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor, após a empresa adotar medidas para evitar ou minimizar acidentes relativos ao produto com problema.
Na indenização, R$ 390 mil vão para o Fundo da Infância e Juventude do Rio Grande do Sul, e R$ 30 mil serão destinados à Fundação do Vale do Taquari de Educação e Desenvolvimento e doação de equipamento à Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam).
O G1 entrou em contato com a assessoria de imprensa da Pepsico pela manhã. Por volta do meio-dia, a empresa se manifestou confirmando o acordo para o pagamento da indenização, e acrescentou que "a alteração de qualidade apresentada em setembro de 2011 em cerca de 80 unidades do produto distribuídas no Rio Grande do Sul tratou-se de uma falha pontual e corrigida."

Ao menos 39 pessoas de 15 municípios do Rio Grande do Sul relataram reações como sensação de queimadura, feridas na boca, náusea e cólicas ao ingerir o produto de 200 ml, do lote com numeração L4 32. Na época, a empresa informou que houve falha durante o processo de higienização dos equipamentos na fábrica em Guarulhos, na Grande São Paulo. "Houve uma falha e uma das linhas envasou algumas embalagens de Toddynho com o produto usado para limpeza, à base de água e líquido detergente", impróprios para o consumo.
Pelo acordo, após realizar recall e disponibilizar atendimento especializado aos consumidores, a Pepsico comprometeu-se a adotar medidas de implementação, alteração ou substituição de suas linhas de produção.
Conforme o MP, o acordo não prejudica as ações individuais das vítimas por danos do produto.
Confira a íntegra da resposta da Pepsico:
"A PepsiCo, fabricante da marca Toddynho, confirma acordo no valor de R$ 420 mil com o Ministério Público do Rio Grande do Sul. O montante será destinado ao Fundo de Infância e Juventude em prol dos interesses das crianças e adolescentes carentes do estado.
A empresa reitera ainda que a alteração de qualidade apresentada em setembro de 2011 em cerca de 80 unidades do produto distribuídas no Rio Grande do Sul tratou-se de uma falha pontual e corrigida. Na ocasião, a companhia providenciou rápido recolhimento do material, comunicou o fato em anúncios pagos nos veículos gaúchos e atendeu a todas as solicitações de imprensa. Além disso, mobilizou toda a sua força de vendas no Estado para retirar essas unidades do mercado e disponibilizou um médico para os consumidores que tiveram contato com o produto e procuraram a empresa por meio de seu Serviço de Atendimento ao Consumidor."


fonte: Portal G1


quarta-feira, 18 de julho de 2012

Brincar de CSI: Como é feito o McDonalds?

Olá Pessoal!

Interessante a campanha do McDonalds em lançar virais na web respondendo perguntas sobre os seus produtos. Uma estratégia de marketing eficiente para reverter anos de propaganda negativa relacionada a malefícios a saúde.








Legal ver o pessoal brincando de "CSI Alimentar".

Ps: Laboratório dos Sonhos

Inspirado no Sedentario.org, esse post
Até Mais!



segunda-feira, 9 de julho de 2012

O que pode e o que não pode: atribuições do Engenheiro de Alimentos

Olá a todos!

Hoje, um post mais direto. Muito se fala do que podemos ou não podemos, mas pouco se tem de certeza, inclusive pelos profissionais formados. Quem dirá dos estudantes...
A motivação inicial deste post é basicamente delimitar as áreas de atuação do engenheiro de alimentos por quem realmente FAZ essa delimitação: CREA e CRQ. As duas autarquias que regulamentam a nossa profissão, podendo o profissional optar por uma, outra, ou as duas, dependendo do que se interessa fazer.

Sem mais delongas, vamos aos textos. Leiam e comentem, o debate será assunto de um próximo post.


Segundo o Confea


Art. 1º - Para efeito de fiscalização do exercício profissional correspondente às diferentes modalidades da Engenharia, Arquitetura e Agronomia em nível superior e em nível médio, ficam designadas as seguintes atividades:

Atividade 01 - Supervisão, coordenação e orientação técnica;

Atividade 02 - Estudo, planejamento, projeto e especificação;

Atividade 03 - Estudo de viabilidade técnico-econômica;

Atividade 04 - Assistência, assessoria e consultoria;

Atividade 05 - Direção de obra e serviço técnico;

Atividade 06 - Vistoria, perícia, avaliação, arbitramento, laudo e parecer técnico;

Atividade 07 - Desempenho de cargo e função técnica;

Atividade 08 - Ensino, pesquisa, análise, experimentação, ensaio e divulgação

técnica; extensão;

Atividade 09 - Elaboração de orçamento;

Atividade 10 - Padronização, mensuração e controle de qualidade;

Atividade 11 - Execução de obra e serviço técnico;

Atividade 12 - Fiscalização de obra e serviço técnico;

Atividade 13 - Produção técnica e especializada;

Atividade 14 - Condução de trabalho técnico;

Atividade 15 - Condução de equipe de instalação, montagem, operação, reparo

ou manutenção;

Atividade 16 - Execução de instalação, montagem e reparo;

Atividade 17 - Operação e manutenção de equipamento e instalação;

Atividade 18 - Execução de desenho técnico.


Art. 19 - Compete ao ENGENHEIRO TECNÓLOGO DE ALIMENTOS:

I - o desempenho das atividades 01 a 18 do artigo 1º desta Resolução, referentes à indústria de alimentos; acondicionamento, preservação, distribuição, transporte e abastecimento de produtos alimentares; seus serviços afins e correlatos.




Segundo o CFQ


Art. 1º –
Fica designado, para efeito do exercício profissional, correspondente às diferentes modalidades de profissionais da Química, o seguinte elenco de atividades:
01 –
Direção, supervisão, programação, coordenação, orientação e responsabilidade técnica no âmbito das atribuições respectivas.
02 –
Assistência, assessoria, consultoria, elaboração de orçamentos, divulgação e comercialização, no âmbito das atribuições respectivas.
03 –
Vistoria, perícia, avaliação, arbitramento e serviços técnicos; elaboração de pareceres, laudos e atestados, no âmbito das atribuições respectivas.
04 –
Exercício do magistério, respeitada a legislação específica.
05 –
Desempenho de cargos e funções técnicas no âmbito das atribuições respectivas.
06 –
Ensaios e pesquisas em geral. Pesquisa e desenvolvimento de métodos e produtos.
07 –
Análise química e físico-química, químico-biológica, bromatológica, toxicológica e legal, padronização e controle de qualidade.
08 –
Produção; tratamentos prévios e complementares de produtos e resíduos.
09 –
Operação e manutenção de equipamentos e instalações; execução de trabalhos técnicos.
10 –
Condução e controle de operações e processos industriais, de trabalhos técnicos, reparos e manutenção.
11 –
Pesquisa e desenvolvimento de operações e processos industriais.
12 –
Estudo, elaboração e execução de projetos de processamento.
13 –
Estudo de viabilidade técnica e técnico-econômica no âmbito das atribuições respectivas.
14 –
Estudo, planejamento, projeto e especificações de equipamentos e instalações industriais.
15 –
Execução, fiscalização de montagem e instalação de equipamento.
16 –
Condução de equipe de instalação, montagem, reparo e manutenção.



Art. 4° –
Para os efeitos do artigo anterior distinguir-se-á entre os currículos de natureza:
a)
"Química", compreendendo conhecimentos de Química em caráter profissional.
b)
"Química Tecnológica", compreendendo conhecimentos de química em caráter profissional e de Tecnologia, abrangendo processos e operações da indústria química e correlatas.
c)
"Engenharia Química", compreendendo conhecimentos de química em caráter profissional, de Tecnologia, abrangendo processos e operações, e de planejamento e projeto de equipamentos e instalações da indústria química e correlatas.
§ 1º –
O título de "Químico" é privativo de profissional da Química de nível superior.
§ 2º –
O Conselho Federal de Química explicitará, por meio de Resoluções Ordinárias e para os fins da presente Resolução Normativa, a natureza e a extensão dos currículos acima discriminados.
Art. 7º –
Compete ao profissional com currículo de "Engenharia Química", de acordo com a extensão do mesmo, o desempenho de atividades constantes dos nºs 01 a 16 do art. 1º – desta Resolução Normativa.




Leiam e reflitam: até onde podemos ir?

Até Mais!



sexta-feira, 15 de junho de 2012

Ar Comprimido: como dimensionar?

Olá a todos.

Como é a proposta do blog, de acordo com os desafios vividos no cotidiano profissional, surgem temas de postagem e aqui serve para arquiva-las e torna-las de fácil acesso aos colegas.

É de praxe a industria de bebidas ter uma estrutura de sopro de pet para fornecer embalagens à linha de envase. Contudo, as máquinas de sopro não funcionam só. Faz-se necessário uma infraestrutura de utilidades que contenham, dentre outras coisas, fornecimento de ar comprimido suficiente para o consumo das sopradoras. Mas eis a questão: como dimensionar esta utilidade?

A Apostila abaixo, da eletrobrás, nos ajuda a enfrentar este desafio. Esclarece desde conceitos básicos de unidades, aplicações até como otimizar o sistema. Fonte de pesquisa valiosa.




Eis a pergunta que lanço: estamos aptos a este desafio?
Como opinião pessoal, acredito que sim. Nossa graduação contempla as cadeiras necessárias para esta análise justamente porque é uma necessidade da indústria o profissional apto a implementações de melhorias físicas, seja estrutural ou em maquinário. Contudo, analiso como uma lacuna da nossa formação a ênfase demasiada nas tecnologias do alimento, em detrimento as tecnologias do processo em si. destaca-se a ciência do produto em detrimento da ciência da máquina que faz o produto.

Acredito que só uma minoria dos profissionais lançados ao mercado terão que lidar diretamente com o desenvolvimento de novas tecnologias. Desta forma, a grande maioria dos profissionais estarão em situação de operar a tecnologia existente, assim ganhando destaque a parte que faz o processo/maquinário e não o processo em si. Logo, é necessário uma maior ênfase nesta parte.

Mas como a engenharia é a ciência de aprender, o profissional da área precisa quebrar barreiras e usar do conhecimento geral adquirido, e com a literatura específica, direcionar o foco para a solução do problema pontual proposto pela necessidade fabril. Importante lembrar também que estamos mechendo com vasos pressurizados, e que segundo a NR N°13, é necessário profissional gabaritado para laudar este tipo de equipamento.

Quem sabe, seja um tema que será descorrido em próximos tópicos...

Abraços e Até Mais!